26 jun Tecnologia na entrega é a chave para evolução do e-commerce brasileiro

O e-commerce brasileiro, apesar de ter uma boa expectativa de crescimento (até 15% neste ano¹), permanece bem atrás dos outros grandes mercados mundiais: as vendas online brasileiras representam só 1% do varejo total, bem longe dos 8% até 10% nos EUA, na Asia e na Europa2.

Comparando esses mercados, a maior diferença é óbvia para qualquer consumidor: enquanto entregas no mesmo dia (same-day) e no dia seguinte (next-day) já se tornaram padrão na maioria dos mercados, democratizadas por empresas como a Amazon ou Alibaba que investiram muito nessa frente, o serviço ainda permanece marginal no Brasil, onde é comum para o consumidor esperar entre 5 e 10 dias para receber seu pedido!

Porém, com a ascensão recente de novas tecnologias e ofertas de logística no Brasil, as coisas mudaram e vários players já entenderam isso, iniciando uma evolução profunda e irreversível no mercado e-commerce no país. Hoje, qualquer loja virtual – mesmo que pequena – pode oferecer serviços de entrega expressa, se beneficiando dos investimentos tecnológicos de startups modernas. O objetivo é transformar o papel da entrega no ato da compra, tradicionalmente considerada lenta, para um componente essencial do encantamento do cliente final.

Essas tecnologias revolucionam em particular três frentes críticas do processo de entrega:

1- Roteirização: algoritmos juntos com machine-learning ajudam a definir as rotas mais inteligentes, consolidando pedidos de diversas lojas nos centros de distribuição, para garantir agilidade, precisão na entrega, e comprimir os custos.

2- Rastreamento: o consumidor não aceita mais ter um status cada seis horas, ele quer saber onde está seu pedido em tempo real. Hoje, com as tecnologias modernas de rastreamento, é possível para o cliente de acompanhar a encomenda metro por metro, criando uma experiência única.

3- Entrega de sucesso: estar conectado aos mensageiros em tempo real permite que as transportadoras auxiliem na finalização do pedido. Qualquer imprevisto, como o cliente não ser localizado na hora da entrega, pode ser interceptado pelo transportador, que entra em contato para auxiliar as duas pontas do serviço – mensageiro e cliente, oferecendo uma experiência excelente ao consumidor.

Atualmente, entregas same-day e next-day representam menos de 10% em todo o Brasil, com vendas concentradas nas capitais – principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Em breve, em parceria com empresas de logística modernas, devemos ver a transformação completa dessa realidade no Brasil.  Com os volumes de entregas expressa aumentando, e investimentos em tecnologia crescendo nas transportadoras, a diferença de custo entre entregas expressas e entregas comuns será cada vez menor, até se tornar quase inexistente.

Nesse contexto, é inevitável que o setor de e-commerce brasileiro cresça e o potencial desse mercado é gigantesco. Os e-commerce que não entendem isso ainda correm o risco de rapidamente ficar muito atrás do novo padrão de same-day!

 

¹ ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico

2 Global B2C E-commerce Report 2016, E-Commerce Foundation & GFK

* Daniel Topper é diretor de Loggi Pro e trabalhou oito anos nos principais e-commerce da França e no Brasil.

Comentários